GTTEMA

Grupo de Pesquisa em  Transportes, Trânsito

e Meio Ambiente

1/5

QUEM SOMOS

O Grupo de Pesquisa em Transporte, Trânsito e Meio Ambiente (GTTEMA) possui infraestrutura física instalada numa área de 120m2 no DET e equipamentos em operação que somam mais de R$ 100.000,00, o grupo vem atuando nas linhas de “gerência e controle do tráfego urbano” e “planejamento e operação de sistemas de transportes públicos”, com foco direcionado para o transporte de passageiros e de carga urbana. Possui o envolvimento de alunos de graduação, bolsitas de pesquisa, extensão ou iniciação científica. Conta ainda com alunos de Mestrado e Doutorado do PETRAN. Possui atualmente seis professores pesquisadores atuando mais fortemente e ressalte-se que o GTTEMA tem sido um grupo de pesquisa que se destaca pela formação de recursos humanos tanto na área de planejamento quanto operação de sistemas de transportes. Para Obter maiores detalhes CLIQUE AQUI!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA VULNERABILIDADE NO PROCESSO DE ESCOLHA DE ROTAS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA: UMA ABORDAGEM BASEADA NA MEDIÇÃO DO RISCO DE UM EVENTO NÃO REGULAR E IMPREVISÍVEL

DISSERTAÇÃO DEFENDIDA: DOS SANTOS, João Evangelista Dantas

O presente trabalho avalia a influência da vulnerabilidade da rede urbana no processo de

escolha de rotas na atividade de distribuição física de cargas, através da adaptação do conceito

de Manutenção Centrada na Confiabilidade. Para tanto, aplica-se tal conceito à medição do risco

de eventos não regulares e imprevisíveis como obras e manutenções em vias públicas, em

decorrência de intervenções que aconteceram devido as falhas que ocorreram no sistema

hidrossanitário da cidade de Fortaleza, Ceará.....Leia Mais

TRANSPORTES, USO DO SOLO E ATIVIDADES - MODELAGEM CONCEITUAL PARA O PLANEJAMENTO DA ACESSIBILIDADE URBANA

TESE DEFENDIDA: LOPES, André Soares

O planejamento complexo de cidades exige o desenvolvimento de modelos conceituais do funcionamento e dependências mútuas dos seus elementos constituintes. Já há algumas décadas, as comunidades técnico-científicas associadas ao planejamento de cidades tentam modelar a interação entre os subsistemas urbanos de uso do solo e transportes. Seus esforços isolados conseguiram alcançar certo êxito na representação parcial do fenômeno urbano, mas ainda esbarram na dificuldade de tratar tais sistemas multidimensionais como uma problemática única, abrangente e integrada. A partir de uma revisão dos modelos conceituais acerca de sistemas LUTI (Integração de Uso do solo e Transportes, do original “Land Use and Transport Interaction”) verificou-se um conjunto de fragilidades conceituais que dificultam o processo de modelagem integrada do fenômeno urbano. Dentre estas fragilidades destaca-se o fato de estes esforços não representarem a contento, ou mesmo reconhecerem, de que subsistemas é constituído o sistema urbano. Consequentemente, reconhecemos a necessidade do desenvolvimento de uma proposta de modelagem conceitual sistêmica do fenômeno urbano, que incorpore aspectos de dinamicidade da relação entre os subsistemas de atividades, uso do solo e transportes. Esta proposta de modelo, chamado de modelo ALUTI (“Activity, Land Use and Transport Interaction”), constitui uma ferramenta de comunicação entre as comunidades técnico-científicas de planejamento de cidades. Ela é baseada na teoria microeconômica de relações oferta/demanda e na suposição das relações de causalidade entre subsistemas, a partir de um modelo “a priori”, baseado na literatura. A aplicabilidade do modelo ALUTI é verificada para três etapas fundamentais do planejamento da mobilidade e acessibilidade. Primeiro (1), como ferramenta demonstrativa da evolução dos paradigmas do planejamento dos transportes, que vê hoje o paradigma do planejamento da acessibilidade como caminho plausível à integração multidisciplinar dos esforços de planejamento. Segundo (2), como ferramenta representativa dos problemas que afligem os atores partícipes do fenômeno urbano. Desta aplicação, reconhecemos problemas derivados de: proposições metodológicas; valores e princípios norteadores do planejamento; e de categorias distintas de restrições à acessibilidade. A terceira aplicação do modelo ALUTI (3) é como ferramenta auxiliar à interpretação das relações de dependência entre problemas, e de sua caracterização (quantificação/qualificação). Esta última aplicação do modelo ALUTI evidencia a contribuição do presente trabalho na definição de hipóteses de causalidade entre os elementos constituintes do sistema urbano integrado, e no auxílio à construção de indicadores que nos permitam melhor entender as relações complexas entre problemas e restrições de acessibilidade.

Dynamic bayesian statistical models for the estimation of the origin-destination matrix

TESE DEFENDIDA: PITOMBEIRA NETO, Anselmo Ramalho

In transportation planning, one of the first steps is to estimate the travel demand. A product of the estimation process is the so-called origin-destination matrix (OD matrix), whose entries correspond to the number of trips between pairs of zones in a geographic region in a reference time period. Traditionally, the OD matrix has been estimated through direct methods, such as home-based surveys, road-side interviews and license plate automatic recognition. These direct methods require large samples to achieve a target statistical error, which may be technically or economically infeasible. Alternatively, one can use a statistical model to indirectly estimate the OD matrix from observed traffic volumes on links of the transportation network. The first estimation models proposed in the literature assume that traffic volumes in a sequence of days are independent and identically distributed samples of a static probability distribution. Moreover, static estimation models do not allow for variations in mean OD flows or non-constant variability over time. In contrast, day-to-day dynamic models are in theory more capable of capturing underlying changes of system parameters which are only indirectly observed through variations in traffic volumes. Even so, there is still a dearth of statistical models in the literature which account for the day-today dynamic evolution of transportation systems. In this thesis, our objective is to assess the potential gains and limitations of day-to-day dynamic models for the estimation of the OD matrix based on link volumes. First, we review the main static and dynamic models available in the literature. We then describe our proposed day-to-day dynamic Bayesian model based on the theory of linear dynamic models. The proposed model is tested by means of computational experiments and compared with a static estimation model and with the generalized least squares (GLS) model. The results show some advantage in favor of dynamic models in informative scenarios, while in non-informative scenarios the performance of the models were equivalent. The experiments also indicate a significant dependence of the estimation errors on the assignment matrices.

1 / 1

Please reload

ACESSO RÁPIDO

GTTEMA

Grupo de Pesquisa em  Transportes, Trânsito

e Meio Ambiente

Centro de Tecnologia - Universidade Federal do Ceará
Campus do Pici - Bloco 703 - 60440-900 Fortaleza CE
Fone/Fax: (85) 3366-9488 r. 215 

© 2016 por Uchôa.
Criado com Wix.com